A História da Fotografia

Tempo de leitura: 5 minutos

Em tempos onde todos têm acesso à fotografia, através de seus, cada vez mais, potentes smartphones, poucos procuram saber como essa arte nasceu, sua evolução e outros tantos detalhes que fazem parte deste mundo, que fascina pessoas do mundo todo, há muito tempo.

Quem Inventou a Fotografia?

Não é possível afirmar quem foi o inventor da fotografia, pois trata-se de um processo que, ao longo dos séculos, vem evoluindo cada vez mais.

Existem registros de diversos artistas que conheciam, e já utilizavam, processos que originaram a fotografia, como a câmara escura descrita em 1558, para fazer esboços de suas pinturas, Leonardo Da Vinci era um dos artistas que utilizava essa técnica em seus trabalhos.

O primeiro registro reconhecido como uma fotografia é uma imagem feita pelo francês Joseph Nicéphore Niépce, em 1826.

Essa imagem foi impressa, utilizando uma câmera, numa placa de estanho coberta com Betume da Judéia.

Para a impressão desta imagem, foram necessárias cerca de oito horas de exposição à luz solar. Este processo de impressão foi batizado por Niépce como Heliografia.

Em 1835, o processo de Heliografia, criado por Niépce, foi aperfeiçoado.

Seu compatriota, Louis Jacques Mandé Daguerre, descobriu como reduzir o tempo de exposição à luz do sol consideravelmente, de oito para, em média, meia hora.

Melhorando também a fixação da imagem, batizou esse processo de Daguerreotipia.

A Daguerreotipia resume-se a uma chapa de cobre coberta por uma camada fina de prata polida, essa sensibilizada por vapores de iodo.

No ano de 1839, o processo fotográfico de Daguerre foi apresentado à Câmara dos Deputados e à Academia das Ciências Francesas. Essa apresentação foi feita pelo político e cientista François Arago.

Considerada como sendo de utilidade pública, em 1841 já haviam sido vendidas, somente na França, cerca de duas mil Daguerreotipias, além de quinhentas mil placas.

A invenção de Daguerre tornou-se um enorme sucesso, além de revolucionar, para sempre, a fotografia.

Enquanto isso, bem longe da França…

Paralelamente às invenções de Daguerre e Niépce, outro francês fazia seus experimentos, um pouco mais longe da Europa.

Antoine Hercules Romuald Florence chegou ao Brasil, depois de passar por outros países da Europa, em 1824. Desembarcou no Rio de Janeiro, mas foi em Campinas, interior de São Paulo, onde o inventor se estabeleceu.

Em 1833, utilizando uma câmara escura, papel sensibilizado para impressão por contato, e uma placa de vidro, Florence fez sua primeira fotografia.

Esse processo foi batizado pelo seu inventor de Photografie, e fez com que o Brasil fosse também um dos pioneiros na invenção da fotografia como conhecemos hoje.

1880 – Nasce a Kodak

Apesar da popularização e de seu enorme sucesso, a daguerreotipia tinha alguns problemas.

Mesmo reduzindo o tempo de exposição à luz do sol de oito horas para trinta minutos, esse processo ainda era lento. Além disso, uma fotografia era caríssima, e apenas a burguesia da época tinha acesso.

Nesse período diversas pessoas passaram a dedicar-se a melhorar e simplificar esses processos.

Entre essas pessoas estava o inventor americano George Eastman.

Eastman foi responsável por uma grande popularização da fotografia. Sua ideia era que qualquer pessoa pudesse fazer suas próprias fotografias. Não havia necessidade de um fotógrafo profissional.

A Eastman Kodak Company foi fundada em 1880, tendo como atividade principal a venda de chapas secas.

A primeira câmera fotográfica lançada pela Kodak, alguns anos após sua criação, vinha acompanhada de um rolo de 20 metros. Esse rolo poderia capturar até 100 imagens.

Essa câmera ainda tinha uma diferença, comparada às que conhecemos. Nela não era possível fazer a substituição do rolo. Era preciso enviar a câmera ao fabricante, para que ele revelasse as imagens.

E, caso você quisesse fazer novas fotos, era preciso comprar uma câmera nova. Cada unidade custava por volta de quinze dólares.

A Chegada das Câmeras Digitais

O lançamento da primeira câmera digital no mercado ocorreu em 1981, com o modelo Mavica, da Sony.

Bastava desembolsar a bagatela de doze mil dólares, para tirar fotos de 0,3 megapixels, e o armazenamento dessas fotografias era feito em disquete, que comportava, no máximo, cinquenta fotos.

Muitos especialistas afirmam que a Mavica não era uma câmera fotográfica, mas uma câmera de TV que congelava as imagens. Mesmo assim, ela foi a primeira de uma série de lançamentos da Sony, ainda na mesma década.

Modelos mais acessíveis chegaram ao mercado, como a Mavica C1, que custava, em média, duzentos e trinta dólares.

Porém, durante as Jogos Olímpicos de 1984, em Los Angeles, quem ganhou destaque mundial foi a Canon.

Em parceria com um jornal japonês, a Canon utilizou uma câmera digital, e as fotos foram transmitidas via telefone para o Japão. Com imagens de 0,4 megapixels, a transmissão de cada imagem demorava trinta minutos.

Com a dificuldade logística da época, onde os filmes dos outros meios de comunicação tinham que ser transportados de avião, tanto a Canon quanto o jornal japonês saíram na frente na cobertura do evento.

E, dessa forma, a fotografia segue sua evolução, melhorando processos já existentes, ou criando novos métodos de capturar as imagens mais importantes e torná-las imortais. No canal Arte 1 da NET de 15 em 15 dias é reprisado um documentário muito bom sobre a História da Fotografia, vale a pena você ver e depois vir aqui comentar!

Gostou desse post? Curta nossa página e compartilha com os amigos! 😉

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *